“Onde tudo começou”: Um dos melhores da modalidade

No “Onde tudo começou” desta sexta-feira, será a vez de contar um pouco mais da história de Arnaldo, mais conhecido como Feitiço, um dos grandes nomes da história do futebol de salão.

Feitiço começou a sua carreira no Esporte Clube Banespa aos 13 anos através dos atletas Guto (Luiz Augusto) e José Carlos (Pororó). Ambos jogavam pelo E.C. Banespa e eram responsáveis pelo categoria Juvenil. Antes de iniciar no tradicional clube de São Paulo, o ex-jogador atuava em quadras do bairro onde morava com amigos de infância.

Pelo Banespa, foi Campeão Paulista Infantil em 1962 e 63; Campeão Intermunicipal Infantil, também em 63; Campeão Paulista Juvenil em 65 (invicto nenhum ponto perdido), e Campeão Estadual Juvenil 1965 (Invicto).

Feitiço também fez a sua categoria de base no Palmeiras.

Feitiço também passou pelo Palmeiras, sendo Campeão Paulista Juvenil  em 1966, Campeão Paulista Principal em 68, 69, 70, 72, 74. 75 e 77;  Campeão Estadual Principal em 68, 69, 70, 74 e 76; Campeão Brasileiro Interclubes  nos anos de 1969 e 1970; Campeão Sul-Americano Principal  em 1970 defendendo a seleção paulista e, Campeão Brasileiro em 71, também  com a seleção paulista. Feitiço também foi Campeão Sul-Americano de Clubes em 72. Com o Brasil, foi levantou o caneco do Campeonato Sul-Americano em 72.

Após diversas conquistas no profissional, Feitiço ainda atou pelo veteranos no Bilac, Circulo Militar e encerrou a sua carreira no Banespa, clube que o revelou.

Segundo Feitiço, os jogadores em que ele se inspirou foram: Pinga Fogo e Serginho Carioca. Feitiço atualmente tem 70 anos, completados no último mês de setembro, e é dono de uma auto-escola.

Em visita a sede da FPFS nas últimas semanas para relembrar os tempos áureos da modalidade, Feitiço se reuniu com o atual presidente da entidade, Nilton Cifuentes Romão. Para o presidente, o ex-atleta foi um dos que mais se destacavam na época. “Um dos melhores da nossa modalidade. A primeira camisa com a qual joguei foi a de nº 3 no Palmeiras. Seguíamos a numeração da equipe principal e a três pertencia ao Feitiço. Foi um enorme prazer recebê-lo”, afirma.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *