Marquinhos Xavier avalia amistosos contra Portugal e Espanha como os mais desafiadores até o momento

A contagem regressiva para o primeiro desafio da seleção brasileira em 2019 já está rolando. No dia 30 de janeiro, o Brasil entra em quadra para encarar Portugal, no primeiro de uma série de quatro amistosos na Europa – outro contra a seleção portuguesa e mais dois contra a Espanha.

A temporada promete ser decisiva, já que inicia-se uma reta final de preparação para as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2020, que ainda não tem sede confirmada pela Conmebol; enquanto o Mundial será na Lituânia. Por isso, a chance de trabalhar com um grupo de convocados formado praticamente por atletas que atuam na Europaé fundamental para o técnico Marquinhos Xavier.

“Tivemos um contato muito breve no Grand Prix, mas o suficiente para definir algumas direções que precisávamos ter dentro da Seleção. Nesta oportunidade agora, embora seja muito mais rápida e com poucas oportunidades para treinar, será um marco importante para a gente seguir eliminando as dúvidas que temos em relação à Seleção para 2020. Estrategicamente, algumas convocações foram realizadas com o objetivo de fazer uma avaliação final de desempenho dos atletas e partir para uma definição de grupo”, explica o treinador.

Olho neles

A chance de enfrentar duas Seleções tradicionais do futsal durante este período de definições também é um ponto positivo destacado por Xavier. Portugal e Espanha costumam figurar entre as melhores equipes nos torneios em que participam e devem exigir um grande nível do Brasil nos primeiros compromissos de 2019.

“São duas seleções protagonistas a nível mundial e podem dar ao Brasil a real situação de em que momento nos encontramos. Mesmo que os resultados possam ser positivos para a seleção brasileira, também vamos entender que não significa que está tudo certo. A Seleção tem um grande desafio que é precisar treinar, pois normalmente a gente se apresenta e joga. A nossa função, enquanto comissão técnica, é muito mais de organizar todo o plano do que propriamente dar uma condição ao atleta técnica e tática. Mas é uma oportunidade de medir forças contra dois adversários que também vão nos medir. Vamos tentar absorver as informações que esse grupo tem para oferecer nesta caminhada e com certeza será o maior desafio neste novo ciclo que se iniciou em 2017”, finaliza.

Informações: CBFS
Foto: Ricardo Artifon/CBFS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *