Futsal Paulista de Rodeio mundo afora; ex-atleta do Mogi das Cruzes E.C. Newton Queiroz Jr é campeão na Europa

Jogador que cresceu no bairro do Rodeio e depois viveu em César relembra trajetória no futsal. Destaques em times da região como o Mogi Esporte Clube, Corinthians e Palmeiras, Newton Queiroz Junior decidiu fazer as malas e foi com a cara e a coragem para a França

Entre 2013 e hoje, o jogador profissional de futsal Newton Queiroz Jr, o ‘Niltinho’, 29 anos, conquistou duas vezes o campeonato da liga francesa, uma vez a liga suíça e mais recentemente, o título finlandês – no país em que vive hoje, vestindo a camisa do clube Tornion Palloveikot (TOPV). Artilheiro, ele tem contrato assinado com o time até 2022 e já se prepara para as próximas competições. O notório desta trajetória que percorre o globo é que ela teve início modesto, no bairros do Rodeio e no distrito de César de Souza, aqui em Mogi das Cruzes.

Newton teve uma infância marcada por dificuldades, mas, com o apoio dos pais manteve rotina de treinos praticamente todos os dias de sua infância, desde os sete anos. Em entrevista a O Diário, diz que espera um novo ano de conquistas, agora ao alcance graças a um passado marcado por desafios. Destaca que a perseverança e dedicação superam barreiras e passa a seguinte mensagem: “acredite em si mesmo”.

Criado em Rodeio e posteriormente em César, o jogador tem boas lembranças da cidade. Treinava na quadra do já fechado colégio Acadêmico Mogiano, próximo da Vila Rubens.  Sua primeira ‘escola’ do esporte foi o Mogi Esporte Clube, em 2000. Seu pai, Newton Queiroz, atua como professor de educação física da escola Washington Luís. “Eu sempre aproveitava para jogar junto com os alunos, era o dia inteiro com a bola”, relembra.

 Além do pai, Newton faz questão de destacar e agradecer o apoio de sua mãe, Dineusa Ramos, hoje com 62.

“A rotina de treinos era intensa, desde moleque, mas ela (Dineusa) sempre fazia questão de me levar, faça chuva ou sol. Houve um período em que o carro dela foi roubado, mas ela não hesitou em continuar me levando de ônibus”, conta. “Sempre fazia o que podia, se sacrificava para poder comprar os calçados, entre tantas coisas, foi a guiadora dos meus passos”.

Do Mogi Esporte Clube, Newton passou por times como Corinthians, em 2016, Palmeiras, Suzano, de onde partiu para a Europa.

 “Sempre gostei muito de futsal, mas o divisor de águas foi quando eu tinha lá meus 15 anos e fui convidado para a Federação Paulista. Foi quando percebi que realmente dava para virar profissional e viver disso e que comecei a me dedicar para isso, então um clube foi levando a outro”, recorda.

Aos 21 anos, em 2012, tomou uma decisão que mudou completamente sua vida. “Decide pegar minhas malas e fui com a cara e a coragem para a Europa, sem nada muito certo. Juntei cerca de 300 euros para passar algum tempo, torcendo para conseguir algo e consegui, no Sporting Paris France, em Paris”, diz. A passagem de avião foi parcelada em 10 vezes.

Foi mesmo sem saber falar francês. Hoje domina o idioma e também o inglês e espanhol.

“Esse foi o clube que abriu as portas na Europa”. E na França conquistou dois títulos de liga, país onde também fez graduação e pós-graduação em Negócios Internacionais Trilíngues, na universidade de Sorbonne. No site newtonqueirozjr.com é possível acompanhar a história do jogador, que ainda mantém contatos com amigos mogianos.

Ele passou por times como o KB United France, Les Semailles Switzerland, Kampuksen Dynamo e outros. Hoje joga na Finlândia, onde é o artilheiro goleador do Tornion Palloveikot.

Na carreira pode conhecer ídolos que até se tornaram amigos, como o jogador e também mogiano Neymar “que é uma pessoa sensacional, por vezes atacado pela mídia, mas ótima pessoa”, comenta. Neymar, aliás, também viveu no Rodeio, em Mogi das Cruzes.

“A família sempre me apoiou bastante, não só com relação a dinheiro, mas o apoio que é fundamental”, aponta. “A mensagem que quero deixar aqui é que cada pessoa realmente acredite no seu potencial, nada acontece por acaso. Tem que treinar muito, só assim a sorte vai encontrar você. Preparação é a palavra-chave”.

Hoje, ele comemora ao olhar para trás. “A minha mãe se emocionou muito quando soube que eu fechei com um clube na Europa, que ia ter um apartamento, um salário, foi sem palavras. Disse que valeu a pena tudo que passsou e que essa foi só a primeira parte da batalha”.

Entre os planos para o futuro está chegar à seleção Brasileira ou a finlandesa. “Um dia após o outro”, finaliza.

Fonte | Foto: O Diario

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *