ONDE TUDO COMEÇOU”: ” Decidi seguir carreira quando as grandes empresas começaram a investir”

Ex-Ala e multi-campeão, o homenageado desta sexta-feira do “Onde tudo começou” é Celso Passos Junior, 51 anos, nascido e criado em São Paulo, atualmente morando em Perdizes o ex-jogador hoje é coordenador de futsal do Hebraica, clube onde iniciou, confira:

INÍCIO
“Comecei a jogar futebol de salão em 1976, motivado pelos meus primos Roberto e Renato Pichini, e também a minha mãe, que me levaram para a Hebraica com 8 anos”.
“Decidi seguir carreira quando as grandes empresas começaram a investir, com o apoio financeiro e também na formação profissional com bolsas de estudos, contou Celso.

TÍTULOS

Bi Campeão Paranaense Infantil; Campeão Paulista Estadual Infanto;
Bi Campeão Taça SP Juvenil; Campeão Estadual Juvenil (2x); Campeão Metropolitano Juvenil (2x); Campeão Metropolitano Principal (2x); Campeão JUBS; Campeão Mundial Finlândia.

TIMES
– Hebraica
– Círculo Militar (PR)
– Banespa
– Gercan
– GM
– Alcan
– Corinthians
– Univ. São Judas

FORA DAS QUADRAS

“Me formei em Economia no Mackenzie em 1990, quando jogava no Banespa, eu já trabalhei no departamento financeiro do Metrô e no Banco Nacional, depois me formei em Ed. Física, em 1998, na Universidade São Judas”.
“Eu trabalhava em academias, escolinhas de futebol e preparador físico, já voltando a jogar na Hebraica”, disse o ex-ala.

PERSPECTIVA NO ESPORTE

“Acho que aqui no Brasil, os nossos dirigentes e políticos, poderiam tentar apoio junto ao ministério do esporte, através de leis de incentivo, para que as grandes empresas tenham benefícios patrocinando os times de futsal para disputarem a liga nacional, cito alguns exemplos: Grêmio com a Tramontina, Palmeiras com o Magnus, Corinthians com a Unip, enfim entre outros”.
“Acho que as grandes camisas atraem mais a mídia e o público que não acompanha o futsal e, debater as regras do jogo entre os grandes treinadores e pesquisadores do futsal”.
“Falando internacionalmente, ouvi dizer muito em futsal olímpico, muito difícil isso acontecer, mas sem dúvida seria ótimo para a modalidade”, contou Celso.

HISTÓRIAS

“Acho que uma das situações mais engraçadas que vivenciei, foi na volta do mundial universitário de futsal em 96, na Finlândia o meu grande amigo e colega de seleção universitária, Cleiton, assim que acabou a final onde conquistamos o título mundial, recebeu uma latinha de cerveja, logo depois da premiação e disse que guardaria todas as latinhas que bebesse até chegar no Brasil, ele começou a encher um saco no hotel, depois na festa de comemoração, já no embarque para o Brasil e ele entrou com um saco enorme no avião, cheio de latinhas vazias e passando pelo corredor do avião e o saco batendo sem querer nos outros passageiros que olhavam assustados, quando ele dormiu, “confiscaram” o saco dele e ele chorava como criança, foi hilário”, contou Celso.

Celso Passos Junior Atualmenteau

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *