Técnico Marquinhos Xavier completa um ano à frente do Brasil com 100% de aproveitamento

O ciclo do primeiro ano de Marquinhos Xavier como técnico da seleção brasileira completou um ano na terça-feira (31). São 365 dias no comando do Brasil nas quadras, acumulando apenas um tipo de resultado ao longo dessa trajetória: vitória.

Marquinhos completou 16 partidas à frente da Seleção, todas terminando com triunfo. A maior delas em duelo contra o Uruguai, na fase de grupos do Grand Prix, quando o Brasil venceu por 10 a 1. O mesmo Uruguai que também dificultou a vida do treinador em um amistoso, quando a Seleção superou a celeste por 1 a 0.

O balanço dessa experiência não poderia ser melhor do que positivo. O treinador avalia que o aproveitamento foi importante, mas ressalta o resgate do respeito que os adversários sentem antes de encarar a Seleção Brasileira como grande trunfo.

“O que pavimenta uma preparação não são só vitórias – às vezes as derrotas te trazem bons caminhos e resultados, com você aprendendendo a lidar com algumas frustrações. Mas, as vitórias foram importantes, ainda com as conquistas do Grand Prix e do Zonal Sul-Americano, que mostra que a Seleção segue sendo respeitada e uma das maiores do mundo. Então o balanço é positivo, de um ano de bastante trabalho e dedicação que culminam com conquistas importantes”, pontua.

Europa x América do Sul

Dentro das 16 partidas vencidas por Marquinhos, a Seleção enfrentou equipes sul-americanas e europeias. Muito se fala da diferença na característica de jogo das duas “escolas” mais tradicionais da modalidade, exaltada pelo treinador brasileiro.

“Embora o futsal seja único no mundo, as culturas fazem com que cada país tenha uma diferença na característica de jogo e isso precisa ser respeitado sob pena de você não conseguir um bom resultado, por exemplo, se quiser implantar o que se faz no Brasil em um país da Europa ou vice-versa. O que se faz lá respeita questões culturais do continente, assim como por aqui. De todas as equipes a República Tcheca foi a que mais me chamou a atenção. Uma equipe forte fisicamente, que lê bem o jogo e tem potencial para crescimento”, destaca.

A experiência como treinador da Seleção ainda não foi suficiente para mudar tanto a personalidade de Marquinhos Xavier, como o próprio confessa. Porém, aponta que desde que assumiu a Seleção novas oportunidades surgiram para levar conhecimento para outras pessoas, inclusive fora do país.

“Talvez não exista grande mudança na questão profissional e pessoal, mas a Seleção te dá oportunidades para desbravar novos caminhos e faz com que o profissional tenha uma responsabilidade um pouco maior – dentro disso a oportunidade de falar mais de futsal brasileiro, melhorar a modalidade como um todo. A principal mudança nem é a nível profissional, mas a nível de oportunidades. São situações que acontecem para quem está à frente do cargo, como a oportunidade de estar em outros países e falar sobre o futsal brasileiro. Acho que essa é a mais significativa de todas”, afirma.

Retrospecto

 

Amistosos

Brasil 1 x 0 Uruguai
Brasil 7 x 1 Uruguai
Brasil 3 x 1 Costa Rica
Brasil 5 x 1 Costa Rica
Brasil 8 x 2 Paraguai
Brasil 8 x 3 Paraguai
Brasil 3 x 1 Polônia
Brasil 5 x 0 Polônia

Liga Sul-Americana (Seleção Principal)

Brasil 3 x 1 Peru
Brasil 5 x 3 Equador
Brasil 3 x 2 Colômbia

Grand Prix

Fase de grupo

Brasil 10 x 1 Uruguai
Brasil 6 x 1 Costa Rica
Brasil 8 x 4 Bélgica
Brasil 9 x 4 República Tcheca

Final

Brasil 4 x 2 República Tcheca

Informações: assessoria de imprensa CBFS
Foto: Ricardo Artifon/CBFS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *